Em dias poluídos, transporte será gratuito em Bruxelas

Capital da Bélgica oferecerá ônibus, metrô e bicicletas de graça nos dias em que o índice de poluentes no ar se elevar. Política será aplicada a partir do próximo verão europeu

VLT-bruxelas-sobretrilhosO uso do transporte coletivo e das bicicletas públicas será gratuito em Bruxelas durante os dias mais poluídos, segundo notícia divulgada pelo Nexo Jornal. As autoridades da capital da Bélgica vêm tentando melhorar os índices de qualidade do ar da cidade, depois de registrar concentração de material particulado em níveis elevados por dois dias consecutivos, acima de 51-70 microgramas por metro cúbico.

Quando a medição acusar que o nível foi ultrapassado, ônibus, bondes e metrôs irão liberar o acesso sem cobrar. A ideia é que cidadãos sejam incentivados a não utilizar o automóvel. A nova política entra em vigor no próximo verão europeu, entre junho e setembro. Limites de velocidade para automóveis também devem ser reduzidos pela metade nos dias poluídos. A cidade tem como estratégia criar zonas de baixas emissões que, com o tempo, pretendem tirar das ruas a maior parte dos veículos poluentes. Até 2030, ônibus urbanos deverão ser todos eletrificados.

“Precisamos criar espaço público de qualidade. Pesquisas mostram que quanto mais espaço você dá para carros, mais carros você atrai”, disse o ministro da mobilidade da cidade, Pascal Smet, em entrevista ao jornal inglês The Guardian. “As cidades que mais encorajam o carro são as mais congestionadas. Ao devolver o espaço aos ciclistas e pedestres, as cidades podem criar espaço onde as pessoas se encontram e se conectam.”

O material particulado é constituído por partículas finas de sólidos ou líquidos suspensos no ar. Seu diâmetro é menor que 2,5 micrômetros, podendo ser vistos apenas com um microscópio eletrônico. As partículas entram na corrente sanguínea e trazem problemas respiratórios e cardíacos. Dependendo do país, varia o limite de presença de material particulado considerado aceitável. Para a União Europeia, a média anual de 25 microgramas por metro cúbico é o limite aceitável para a saúde humana. Já a EPA, agência ambiental americana, estabelece 12 microgramas por metro cúbico como média anual.

Diversas cidades pelo mundo vem discutindo estratégias de redução de poluentes por questões de saúde, mas também para se adequar às demandas do Acordo de Paris, assinado por 195 países em 2015. Entre seus objetivos está a redução global da produção de gases do efeito estufa, em uma tentativa de frear o aquecimento global.

Quais outras cidades tomaram medidas semelhantes

Seul, Coreia do Sul

Em janeiro, durante três dias especialmente poluídos, as autoridades da capital coreana declararam emergência ambiental na cidade. O transporte público foi liberado para todas as pessoas. Um total de 360 estacionamentos em prédios governamentais foi fechado nesse dia, com funcionários públicos tendo que participar de um rodízio de automóvel.

No primeiro dia, o nível de material particulado na cidade havia chegado a 79 microgramas por metro cúbico. Nos outros dias, chegou a 157, nível considerado “insalubre” para entidades que analisam a qualidade do ar. Desde então, foi estabelecido que o transporte público será gratuito nas horas de pico toda vez que o índice ultrapassar 50, com expectativa de durar pelo menos um dia.

Salt Lake City, Estados Unidos

Em dezembro de 2017, a capital do estado de Utah optou por tirar os motoristas particulares das ruas para diminuir índices de poluição. A primeira “sexta da tarifa gratuita” tirou 17.560 carros das ruas, três toneladas de poluição veicular e 200 toneladas de gases do efeito estufa, de acordo com dados das autoridades de transporte locais.

A cidade também registrou um aumento de 23% no uso do transporte público no dia. Entretanto, o incremento no número de usuários não foi suficiente para compensar a perda de receita do sistema. A autoridade de transportes da cidade agora conversa com políticos e entidades comunitários para pensar em saídas para o entrave financeiro.

Cinco cidades alemãs

Em fevereiro, o governo alemão anunciou um teste de transporte gratuito em cinco cidades do país: Bonn, Essen, Herrenberg, Reutlingen e Mannheim. O experimento deve se iniciar até o fim de 2018. A iniciativa visa diminuir o uso do carro particular e, consequentemente, melhorar os índices de poluição.

As medidas foram anunciadas em uma carta enviada pelas autoridades do país à Comissão Europeia. O texto diz que o combate à má qualidade do ar é “prioridade máxima” na Alemanha. Outras ações incluem incentivos a esquemas de compartilhamento de automóveis, zonas de baixas emissões nas cidades e restrições nas emissões de ônibus.

*matéria originalmente publicada pelo Nexo Jornal em 28/02/2018