Wil­son de Oli­vei­ra – 1º Vi­ce-Pre­si­den­te da Fi­eg: polo logístico em Goiás sofre ameaças para se consolidar

Os pro­ble­mas per­sis­tem e al­gu­mas pre­o­cu­pa­ções se tor­na­ram até mai­o­res

Em 2014, a Fe­de­ra­ção das In­dús­tri­as do Es­ta­do de Go­i­ás (Fi­eg) re­a­li­zou a pri­mei­ra edi­ção do pro­gra­ma po­los in­dus­tri­ais, com o ob­je­ti­vo de ob­ter um raio-x dos dis­tri­tos in­dus­tri­ais go­i­a­nos e, a par­tir daí, bus­car so­lu­ções aos pro­ble­mas de ca­da um den­tro das es­fe­ras mu­ni­ci­pal, es­ta­du­al e fe­de­ral. O Dis­tri­to Agro In­dus­tri­al de Aná­po­lis (DA­IA), um dos mai­o­res po­los in­dus­tri­ais do in­te­ri­or bra­si­lei­ro, foi o pri­mei­ro a pas­sar por es­ta agen­da ela­bo­ra­da pe­la Fe­de­ra­ção, ca­pi­ta­ne­a­da pe­lo pre­si­den­te Pe­dro Al­ves.

No au­di­tó­rio da ad­mi­nis­tra­ção do DA­IA, re­u­ni­mos num dia to­do de tra­ba­lho re­pre­sen­tan­tes dos go­ver­nos mu­ni­ci­pal, es­ta­du­al e fe­de­ral e de em­pre­sas li­ga­das ao dis­tri­to. Con­for­me as de­man­das eram apre­sen­ta­das às au­to­ri­da­des, de acor­do com o es­tu­do da Fi­eg, as mes­mas eram ques­ti­o­na­das a res­pei­to das so­lu­ções e pos­sí­veis pra­zos de aten­di­men­to. Ao fi­nal de ca­da ex­po­si­ção, foi ela­bo­ra­do um do­cu­men­to on­de to­dos as­si­na­ram, fir­man­do com­pro­mis­so com o que ha­vi­am ex­pos­to. Pos­te­rior­men­te, pas­sa­mos a acom­pa­nhar os re­sul­ta­dos. Fe­liz­men­te, ti­ve­mos mui­tas con­quis­tas. Uma de­las, uma rei­vin­di­ca­ção an­ti­ga dos em­pre­sá­rios do DA­IA, foi a con­clu­são do vi­a­du­to que dá aces­so ao dis­tri­to. Po­rém, mui­tas coi­sas, in­fe­liz­men­te, fi­ca­ram em pro­mes­sas, ape­sar do nos­so es­for­ço.

Qua­se qua­tro anos de­pois da­que­le en­con­tro, al­guns pro­ble­mas per­sis­tem e al­gu­mas pre­o­cu­pa­ções se tor­na­ram até mai­o­res, co­lo­can­do em ris­co o po­ten­ci­al lo­gís­ti­co de Aná­po­lis, que po­de ser um car­ro che­fe não ape­nas pa­ra a eco­no­mia ana­po­li­na, mas de to­do Es­ta­do de Go­i­ás. Afi­nal, o Mu­ni­cí­pio dá im­por­tan­te con­tri­bui­ção pa­ra a con­for­ma­ção do PIB do Es­ta­do- cer­ca de 7,7%- além de ser um dos mai­o­res ar­re­ca­da­do­res do ICMS e ter uma par­ti­ci­pa­ção im­por­tan­te, tam­bém, em re­la­ção aos ne­gó­ci­os in­ter­na­cio­nais, ou se­ja, as im­por­ta­ções e ex­por­ta­ções.

industria

Re­cen­te­men­te, ti­ve­mos uma re­u­ni­ão no Por­to Se­co Cen­tro-Oes­te, em que ti­ve a opor­tu­ni­da­de de re­pre­sen­tar a Fi­eg, jun­ta­men­te com o nos­so pre­si­den­te do Con­se­lho Te­má­ti­co de In­fra­es­tru­tu­ra, Cé­lio Eus­tá­quio. Lá, ti­ve­mos a pre­sen­ça da se­na­do­ra Lú­cia Vâ­nia; do se­cre­tá­rio es­ta­du­al de De­sen­vol­vi­men­to, Fran­cis­co Pon­tes; do pre­fei­to Ro­ber­to Na­ves; da di­re­ção do Por­to Se­co; re­pre­sen­tan­te da Agên­cia Na­ci­o­nal de Tran­spor­tes Ter­res­tres, ANTT; de ope­ra­do­res de lo­gís­ti­ca, co­mo a Ham­burg Sud, en­fim, um en­con­tro de pe­so on­de dis­cu­ti­mos a pa­ra­li­sa­ção do tran­spor­te por meio de con­tai­ner pe­la VLI, que ope­ra na Fer­ro­via Cen­tro-At­lân­ti­ca.

Da­da a gra­vi­da­de da si­tu­a­ção, fi­cou de­fi­ni­do que a ques­tão de­ve ser le­va­da ao co­nhe­ci­men­to do Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, Mi­chel Te­mer, por­que é uma ques­tão que afe­ta a com­pe­ti­vi­da­de do Es­ta­do de Go­i­ás. A ale­ga­ção é que não es­ta­ria ha­ven­do de­man­da. Po­rém, cons­ta­tou-se que a ta­ri­fa nes­te mo­dal es­ta­ria sen­do fei­ta com va­lor aci­ma do va­lor do tran­spor­te por ca­mi­nhão. Is­so al­te­ra to­da a ló­gi­ca, já que o tran­spor­te fer­ro­vi­á­rio, por su­as ca­rac­te­rís­ti­cas, tem cus­to bem me­nor e, por is­so, ofe­re­ce mais con­di­ções com­pe­ti­ti­vas. Mas, o fa­to é que hou­ve um rom­pi­men­to uni­la­te­ral e a VLI de­ve­ria ter, ao me­nos, co­mu­ni­ca­do à agên­cia re­gu­la­do­ra, no ca­so, a ANTT, que de­ve­ria e de­ve, por sua vez, fis­ca­li­zar e exi­gir o cum­pri­men­to das obri­ga­ções con­tra­tu­ais, a fim de não pre­ju­di­car o se­tor pro­du­ti­vo que de­pen­de da fer­ro­via.

Nos­sas pre­o­cu­pa­ções vão mais além, por­que o pro­ble­ma com a Fer­ro­via Cen­tro-At­lân­ti­ca não é úni­co. A Fer­ro­via Nor­te-Sul, inau­gu­ra­da em 2014, no mes­mo ano em que re­a­li­za­mos o nos­so se­mi­ná­rio, não saiu de­fi­ni­ti­va­men­te do pa­pel, por­que não se de­fi­niu um mo­de­lo de ges­tão pa­ra as su­as ope­ra­ções. Tam­bém não acon­te­ceu e não se sa­be quan­do vai acon­te­cer, o edi­tal de con­ces­são. Um in­ves­ti­men­to bi­lio­ná­rio, fei­to com o di­nhei­ro de to­dos nós bra­si­lei­ros, con­tri­buin­tes, que es­tá pra­ti­ca­men­te pa­ra­do, en­quan­to de­ve­ria es­tar ser­vin­do pa­ra pro­du­zir ri­que­zas.

Além dis­so, em 2010, ti­ve­mos a con­ces­são da ro­do­via BR-153, no tre­cho de Aná­po­lis a Po­ran­ga­tu, pa­ra ser ex­plo­ra­do pe­la ini­ci­a­ti­va pri­va­da, com a con­tra­par­ti­da de in­ves­ti­men­tos na sua re­cu­pe­ra­ção, du­pli­ca­ção e ou­tras ben­fei­to­ri­as e ser­vi­ços. Mas is­so não se vi­a­bi­li­zou e, no ano pas­sa­do, o pre­si­den­te Mi­chel Te­mer de­cre­tou a ca­du­ci­da­de do con­tra­to fir­ma­do com a Gal­vão. A BR-153 es­tá pra­ti­ca­men­te de­te­rio­ra­da, cau­san­do pre­ju­í­zos e mor­tes em aci­den­tes. O que era pa­ra ser uma so­lu­ção, se tor­nou um pro­ble­ma mai­or e mais gra­ve. Há, ain­da, in­for­ma­ção de que a con­ces­sio­ná­ria da BR-060 tem di­fi­cul­da­des em cum­prir, por uma sé­rie de ques­tões, os in­ves­ti­men­tos que de­ve­ri­am ser fei­tos nos tre­chos ju­ris­di­cio­na­dos a es­ta con­ces­são.

De ou­tra pon­ta, te­mos al­guns in­ves­ti­men­tos do Es­ta­do que não se con­cre­ti­za­ram, co­mo o Ae­ro­por­to de Car­gas e a Pla­ta­for­ma Lo­gís­ti­ca, que te­ve par­te de sua in­fra­es­tru­tu­ra inau­gu­ra em 2007 e, ho­je, es­tá lá ob­so­le­ta, en­quan­to o Mu­ni­cí­pio ne­ces­si­ta de áre­as pa­ra fa­zer a ex­pan­são in­dus­tri­al. Pas­sa­dos mais de 10 anos, foi de­fi­ni­do o mo­de­lo de ges­tão e de ces­são. Quan­to tem­po ain­da va­mos le­var pa­ra ver es­te so­nho do nos­so de­ca­no da in­dús­tria, o Ca­pi­tão Waldyr O´Dwyer, ser re­a­li­za­do?

Tu­do is­so, so­ma­do, é um pre­ju­í­zo mui­to gran­de pa­ra o po­lo lo­gís­ti­co que, re­for­ço, não é de Aná­po­lis mas de Go­i­ás. Sua re­le­vân­cia vai mui­to além das fron­tei­ras do Mu­ni­cí­pio. In­fe­liz­men­te, ao que pa­re­ce, fal­ta von­ta­de po­lí­ti­ca pa­ra se en­xer­gar is­so. Mas, de nos­sa par­te, de par­te da Fi­eg, o em­pe­nho vai con­ti­nu­ar pa­ra que es­te po­lo lo­gís­ti­co, im­por­tan­te pa­ra Go­i­ás e pa­ra o Bra­sil, ve­nha se ma­te­ri­a­li­zar. E, quan­do is­so acon­te­cer, ve­re­mos que a equa­ção da com­pe­ti­vi­da­de, que na­da mais é do que qua­li­da­de e pre­ço, vai so­bre­por e emer­gir ain­da mais o Es­ta­do no ce­ná­rio eco­nô­mi­co, ge­ran­do no­vos in­ves­ti­men­tos, mais ge­ra­ção de em­pre­go, ren­da e di­vi­sas. É as­sim que a en­gre­na­gem do pro­gres­so gi­ra. Não po­de­mos fi­car no atra­so, Aná­po­lis e Go­i­ás não po­dem sa­ir do tri­lho do de­sen­vol­vi­men­to.

*artigo originalmente postado pelo portal goiano DM em 13/02/2018
Wil­son de Oli­vei­ra é em­pre­sá­rio, 1º Vi­ce-Pre­si­den­te da Fi­eg; Pre­si­den­te da Fi­eg Re­gi­o­nal Aná­po­lis e do Sin­di­ca­to das In­dús­tri­as de Ali­men­ta­ção de Aná­po­lis (Sin­dA­li­men­tos)